Crédito: Pixabay
Português

Modernização trará transparência ao setor elétrico, diz EPE

5 MIN READAugust 08, 2019
A Empresa de Pesquisa Energética (EPE), em sua atuação no grupo de trabalho (GT) criado pelo governo federal para aprimorar propostas que viabilizem a modernização do setor elétrico, busca ampliar a transparência dos custos envolvidos nos distintos processos desse mercado. 

"Para resumir e sintetizar o esforço de modernização do setor elétrico, o papel da EPE visa dar transparência aos custos das decisões, que, em última instância, resultam na fatura que chega para o consumidor. Outro objetivo é dar clareza sobre a distribuição desses custos, pois muitos estão alocados hoje sobre agentes que têm dificuldade de fazer sua gestão – um exemplo é o risco hidrológico", explica Thiago Barral, titular da companhia pública. 

"Temos um grande desafio e estamos trabalhando junto ao Ministério de Minas e Energia (MME) e outras instituições para a modernização do desenho desse setor e de todo o arcabouço de planejamento e de mercado da energia elétrica", continua ele. 

Panorama identificado

Na análise da empresa estatal, ainda em andamento, identificou-se que não há transparência no processo. "Quando ocorre um leilão de expansão para a contratação de novos projetos de geração, [no qual] temos uma energia solar fotovoltaica, contratada a R$ 65 megawatt-hora, esse número não significa praticamente nada", ilustra o especialista. 

A partir da constatação, é necessário que tais custos considerem a contratação posterior de uma usina térmica por parte do consumidor cativo; a expansão da transmissão para gerenciar os fluxos de energia na rede; e os subsídios, que recaem sobre a conta do desenvolvimento de energia e distorcem os números. 

Prioridades do grupo

Instituído pela portaria do MME nº 187/2019, o grupo de trabalho responsável por essa agenda é integrado ainda pelas secretarias Executiva, de Energia Elétrica e de Planejamento e Desenvolvimento Energético; pela Assessoria Especial de Assuntos Econômicos, pela Consultoria Jurídica e por todos órgãos ligados a esse ministério; pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) e pelo Operador Nacional do Sistema (ONS), assim como por representantes da sociedade civil, associações e especialistas de outras entidades, que podem ser convidados a participar das reuniões. 

"No grupo, há uma série de temas inter-relacionados e que precisam ser redesenhados para que novas tecnologias, novos modelos de negócios e inovações possam ser recepcionados, parte de um processo natural, sem gerar desequilíbrios, sobretudo para corrigir várias disfunções atuais do mercado", conta Barral. 

Entre as atividades do GT, destacam-se eventos ao público e consultas realizadas. No dia 17 de julho, a EPE organizou o workshop 'Critérios de Garantia de Suprimento', no Rio de Janeiro com o objetivo de apresentar e discutir com os agentes uma proposta de revisão dos atuais critérios de garantia de suprimento.

"[Essa é] uma etapa fundamental para caminhar para um desenho de mercado que tenha clareza dos atributos que precisam ser contratados e, portanto, é um passo fundamental para aproximar a nossa proposta do arranjo já sinalizado na Consulta Pública 33 de 2017, de eventual separação contratual do lastro e da energia", afirma.

No dia 25 de julho, seria a vez de analisar a formação de preços em um encontro promovido pela CCEE em São Paulo. O tema da segregação entre lastro e energia volta à pauta em nova reunião da EPE na segunda quinzena de agosto. 

O plano de modernização será apresentado em setembro, 180 dias após a publicação da portaria de 4 de abril. 

Outras frentes de atuação

Outro objeto de trabalho da EPE é identificar possíveis cenários de longo prazo, abordando os impactos das mudanças na regulação e das transformações tecnológicas, trazendo indicativos para que o Brasil responda de maneira adequada a esses movimentos, evitando se tornar apenas um comprador de soluções importadas que não se traduzam em desenvolvimento socioeconômico para o País. 

"Esse é um grande desafio e na EPE. Como instituição que possui a responsabilidade de olhar o longo prazo e de forma integrada, temos usado tanto o Plano [Nacional de Energia] 2050 como o próprio Plano Decenal e também a estruturação de um novo processo de planejamento, baseado em cenários de longo prazo – em desenvolvimento com parceiros do setor privado", detalha Barral.
 

Infra Brazil GRI 2019

Infra Brazil GRI 2019

Os principais temas para o desenvolvimento do setor de infraestrutura, incluindo a necessidade de avanços tecnológicos e regulatórios no mercado de energia, estarão em debate no Infra Brazil GRI 2019. 

A conferência do GRI Club ocorre em outubro, com a presença de lideranças de companhias atuantes nessa indústria e representantes das administrações federal, estaduais e municipais. Confira a programação do evento.
Related News
←  SHARE
Infrastructure
GRI
X
Privacy policy and how we use cookies
We use cookies to give you the best experience on our website.
By continuing we'll assume you're on board with our privacy police
Accept and hide this message