Eduardo Guardia (BTG Pactual Asset Management)
Crédito: GRI Club/ Flávio Guarnieri
Português

Veja os temas abordados por Eduardo Guardia em fórum do GRI

4 MIN READSeptember 09, 2019
O CEO da BTG Pactual Asset Management e ex-ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, traçou um cenário positivo para o Brasil e o mercado de real estate – particularmente a indústria de fundos imobiliários (FIIs) – ao participar do Fórum GRI de Fundos Imobiliários 2019. Ele ressaltou os desafios do panorama internacional, a importância de agendas públicas locais como as reformas da Previdência e tributária, e o bom momento do País, diante da queda da taxa básica de juros e da retomada da cadeia produtiva nacional, incluindo o setor imobiliário.

No evento, ocorrido em 21 de agosto em São Paulo, Guardia falou sobre o potencial do segmento de FIIs, que tem crescido ao longo dos últimos anos. "É um momento de oportunidades. Vemos notícias positivas sobre o setor imobiliário. Reforço o aspecto da mudança de comportamento do investidor, que virá atrás de ativos ilíquidos como real estate", declarou.

"Os fundos imobiliários mostram com muita clareza o que já está acontecendo. De 2017 para cá, saímos de menos de 100 mil investidores de FIIs na Bolsa para mais de 360 mil", continuou ele ao abordar o panorama macroeconômico e a retomada de investimentos no Brasil durante o evento promovido pelo GRI Club Real Estate. Antes, Guardia tratou o tema de forma mais ampla, em entrevista exclusiva ao GRI Hub.

Guerra comercial EUA x China

Ao iniciar sua exposição, Guardia repassou o panorama global. "Os desafios são enormes [...]. Temos um cenário internacional marcado por uma desaceleração em função da desalavancagem da China", pontuou o ex-ministro. Ele lembrou que o início da diminuição de ritmo se deu a partir de 2017. Outro ponto citado foi o protecionismo do governo americano, de Donald Trump. 

"Essa elevação de taxa de juros de 2018 [anunciada pelo Fed, Banco Central americano] tem um efeito defasado sobre a economia e começa a ser sentida a partir de 2019, também com a valorização do dólar. Portanto, o cenário internacional é marcado por uma desaceleração", contextualizou. 

Para Eduardo Guardia, o principal risco no âmbito supranacional é o acirramento da guerra comercial entre Estados Unidos e China, que deve impactar os demais mercados mundiais. Assim, "a retomada do crescimento econômico [brasileiro] não virá impulsionada pelo setor externo", complementou. 

Potencial interno

"De onde virão o dinamismo e o crescimento? Creio que da redução de juros, algo brutal para a economia brasileira. Nunca convivemos com taxas de juros nesse patamar e com a perspectiva de manutenção em níveis baixos", disse o ex-titular da pasta da Fazenda. 

Embora tenha diminuído a previsão de crescimento da economia, o Boletim Focus do Banco Central de 26 de agosto manteve a expectativa de queda da Selic, a taxa básica de juros, a 5% ainda em 2019. Também o prognóstico para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação, passou de 3,71% para 3,65%.

"Na nossa visão, esse processo de redução de juros, já iniciado, vai continuar, o que é necessário para que possamos retomar a economia brasileira. O ponto importante é que o Banco Central tem motivos para manter esse processo de redução de taxas sem prejuízos", afirmou Eduardo Guardia no evento do GRI Club.

Diante dos fatores analisados, ele ressaltou o incremento da participação privada na oferta de crédito e a retomada do mercado de capitais, sobretudo no mês de julho, características que mostram "uma melhor alocação dos recursos na economia". Trata-se de "um setor financeiro altamente capitalizado, líquido, bem regulado e capaz de prover crédito, quando houver o aumento da demanda", disse. 

O ex-ministro também falou sobre a agenda política do País e temas essenciais que devem estimular o investimento privado, como o programa de desestatização e concessão de ativos federais. 

Em entrevista ao GRI Hub, Guardia fez uma análise mais ampla sobre o bom momento dos FIIs e falou sobre o potencial da diversificação da carteira, a exemplo do portfólio da próprio BTG Pactual Asset Management. "Hoje, estamos em todas as classes de ativos, todas as verticais – temos crédito, fundo de fundo, presença em hospitality, shopping, logística, corporativo. Vemos oportunidades em todos os segmentos desse setor", declarou.

Eduardo Guardia deu início à segunda edição do Fórum GRI de Fundos Imobiliários. Neste ano, participaram do evento cerca de 1000 investidores – institucionais e pessoas físicas, que puderam acompanhar as principais tendências e as oportunidades nos diversos segmentos de FIIs, em painéis com os mais reconhecidos especialistas da área. 
 

Brazil GRI 2019

Brazil GRI 2019

A discussão sobre o mercado imobiliário e o potencial de investimentos em FIIs continua na 10ª edição do Brazil GRI, que ocorre nos dias 12 e 13 de novembro no Grand Hyatt Hotel São Paulo. Saiba mais sobre o evento.
Related News
←  SHARE
Real Estate
GRI
X
Privacy policy and how we use cookies
We use cookies to give you the best experience on our website.
By continuing we'll assume you're on board with our privacy police
Accept and hide this message