Your application for a Courtesy Membership is under review

We have just received your information and we will get back to you shortly. Check out the steps below:

Information sent


2

Application in analysis


3

Feedback email


4

Complimentary access activated

* Required fields
I confirm that I have read and agree to the Terms and Conditions of GRI Club
Credit: Divulgação/Multiplan
Real Estate

Sem máscaras, shoppings se recuperam e devem ter 2022 melhor que 2019

Vendas crescem 34,8% no 1º trimestre e ganham ainda mais força em abril

8 MIN READ June 07, 2022

Segundo a Abrasce (Associação Brasileira de Shopping Centers), as vendas nos 620 empreendimentos associados cresceram 34,8% de janeiro a março, na comparação com 2021. Foi o primeiro avanço no período desde 2019, antes da chegada da pandemia ao Brasil. Em 2020 e 2021, os recuos foram de 9,1% e 25,9%, respectivamente. 

Parcialmente impactados pela ômicron no início do ano, os shoppings brasileiros apresentaram forte recuperação em março, com aumento de 132% nas vendas frente ao ano passado. A Abrasce já revisou sua projeção inicial, que era de 13,8%, para uma expansão de 17,3% nas vendas de 2022, totalizando R$ 186 bilhões - bem próximo dos R$ 192,8 bilhões de 2019. 

Se a estimativa da Abrasce indica uma recuperação, para muitas administradoras de shopping centers o ano de 2022 já será melhor do que antes da pandemia. A Multiplan registrou R$ 4 bilhões em vendas no primeiro trimestre, marca inédita na companhia; a tendência de crescimento acelerou em abril, com um volume 32% superior a 2019 nos primeiros 25 dias do mês. 

Também houve avanço na receita junto aos inquilinos, segundo o vice-presidente de Relações com Investidores, Armando D’Almeida Neto: “Não só alcançamos os níveis de 2019, como já superamos esse patamar, apresentando um crescimento de 50,7% no primeiro trimestre de 2022”. A vacância ainda é ligeiramente maior: 5,2%, contra 2,9% há três anos. 

GRI Shopping & Retail Brazil 2022

Para Neto, um conjunto de fatores explica a força da recuperação, como o mix de soluções oferecido nos empreendimentos da companhia, a localização dos ativos e o fim das medidas restritivas, em especial o uso de máscaras. 

O argumento é endossado por Fred Youssef, CEO da Saphyr Shopping Centers: “Temos visto uma tendência de retomada mais forte a partir do momento em que as máscaras caíram”. Após um bom primeiro trimestre, semelhante ao de seus pares, a empresa observou uma alta de 23% nas vendas médias dos empreendimentos no mês de abril, em relação a 2019. 

Youssef também destaca o Auxílio Brasil como um vetor importante na recuperação dos ativos da Saphyr, cujo portfólio tem boa concentração nas regiões Norte e Nordeste. No Pátio Maceió, um dos mais maduros da carteira, as vendas cresceram 39% em abril; a vacância, hoje, é zero. 

Nos empreendimentos mais dependentes da volta aos escritórios, como o Metrô Tucuruvi, a companhia repaginou o mix de lojas para proporcionar novas experiências aos clientes, trazendo nomes como Centauro (loja modelo Geração Cinco), Cacau Show Mega Store e Outback. 

Cadastre-se na newsletter de mercado imobiliário do GRI Club e receba 1x por semana as principais notícias do setor no Brasil

Sem abrir os números, a Ancar Ivanhoe afirma que o desempenho das vendas no primeiro trimestre superou 2019, com uma escalada de janeiro a março, em razão da ômicron. “Algo relevante a partir de março, na minha opinião, é a eliminação do uso de máscaras”, reforça o co-presidente da empresa, Marcos Carvalho

Os preços de locação também se aproximam da normalidade, segundo o executivo. “Existe muito bom-senso nessa relação. O lojista compreende que o condomínio está muito abaixo da inflação e que a relevância da loja no shopping não é apenas para a venda direta, como também é um enorme divulgador da marca para vendas em outros canais”, diz. Na maioria dos casos, o IGP tem sido aplicado.

Em Goiânia, o Flamboyant Shopping apresentou alta de 30,5% nas vendas frente a 2019, e opera com uma taxa de ocupação de 98,2%. “Temos aqui um bom problema, um jogo de xadrez para trazer novas operações, pois praticamente não temos áreas vagas”, afirma o superintendente do shopping, João Ricardo Gusmão

Após reabrir, a empresa acertou a saída de algumas lojas com desempenho ruim e trouxe grandes marcas, como Amaro, Fast Shop, Louis Vuitton, Gucci e Bvlgari. “O perfil do shopping mudou muito nos últimos dois anos. Como as marcas de luxo tiveram um grande sucesso aqui, outras nos procuraram”, diz o executivo. 

Ainda não é membro? Aplique para a membership cortesia e conheça as vantagens de integrar o grupo global mais seleto de executivos do mercado imobiliário

Planos de expansão

A Abrasce prevê treze inaugurações ao longo do ano: cinco no Sudeste, três no Nordeste e no Sul, e duas no Centro-Oeste, com incremento de 300 mil metros quadrados de área bruta locável (ABL), 1,5% do total. Mesmo em 2021, no auge da covid-19 no Brasil, foram inaugurados cinco empreendimentos.

Um deles é o ParkJacarepaguá, no Rio de Janeiro, o 20º shopping da Multiplan, aberto em novembro, com 40 mil metros quadrados de ABL. “Além disso, estamos trabalhando na expansão do DiamondMall, em Belo Horizonte, com 36 novas operações e restaurantes, e outra no ParkShoppingBarigui, em Curitiba, com 92 novas operações e a construção de um centro médico”, afirma Neto. 

A companhia ainda tem 763 mil metros quadrados em banco de terrenos para projetos multiuso, segundo o executivo. 

Estratégia semelhante é adotada pela Saphyr, que está estudando a vocação dos terrenos no portfólio a fim de desenvolver empreendimentos de uso misto. “Pode ser residencial, comercial, hotel; o fato é que temos potencial construtivo disponível para maximizar o retorno dos nossos ativos”, afirma Youssef. 

Mais cautelosa em relação aos greenfields, a companhia procura oportunidades de aquisição e está ampliando o Pátio Maceió, com inauguração das novas lojas prevista para março de 2023. 

Uma expansão do Flamboyant Shopping é viável, segundo Gusmão, em função da elevada taxa de ocupação atual, mas ainda não há nada concreto. “Temos áreas no entorno do shopping que podem ser exploradas. O grupo Flamboyant está estruturando uma incorporadora para desenvolver os próprios empreendimentos”, ressalta o executivo. 

A Ancar Ivanhoe procura oportunidades em ativos brownfield, de acordo com o co-presidente, Marcos Carvalho. “O desenvolvimento greenfield, hoje, exige esforços e apresenta riscos desproporcionais aos resultados. Ainda é preciso algum nível de cautela”, avalia. 

Veja o calendário completo de eventos presenciais do GRI Club Real Estate Brazil

Integração ao e-commerce é realidade

Parte do sucesso na retomada dos shoppings se deve ao avanço na omnicanalidade das lojas, com a implementação de aplicativos e plataformas de e-commerce. A Ancar desenvolveu um sistema integrado ao WhatsApp, que por enquanto está disponível em três shoppings da companhia.

A Saphyr criou a Shoplog, plataforma de integração ao comércio eletrônico que abarca desde a compra até a entrega dos produtos na casa dos consumidores; a ferramenta já está operando nos shoppings Metrô Tucuruvi, Paralela e Pátio Maceió. 

A Multiplan tem o super app Multi, que já contabiliza mais de 2,2 milhões de downloads e encerrou o primeiro trimestre com um crescimento de 135% na quantidade de usuários únicos frente ao mesmo período em 2021. 

Os bons resultados no começo do ano trouxeram mais otimismo para as empresas do setor, com a expectativa de superar 2019. “Nossa área comercial tem observado um aumento substancial na quantidade de reuniões. Abril foi nosso melhor mês em termos de propostas [de inquilinos]”, afirma o CEO da Saphyr. 

“O início de 2022 veio acompanhado de recordes operacionais na Multiplan. Nos próximos meses, com a retomada dos eventos sociais em nossos shoppings, esperamos que o fluxo de pessoas ultrapasse 2019, contribuindo, consequentemente, para obtermos novos recordes”, encerra o VP de Relações com Investidores.  

Conheça mais sobre o GRI Club


Por Henrique Cisman

Related News