Um dos quartos no Selina Lapa Rio de Janeiro. /Crédito: Divulgação Selina
Português

Selina pode chegar a 50 unidades no Brasil até 2022

6 MIN READMay 14, 2019

A Selina, plataforma de lifestyle, viagens e hospitalidade, definiu o Brasil como prioridade em seu processo de expansão. O grupo – operador de empreendimentos que, via de regra, mesclam hospedagem, moradia, co-working e serviços gastronômicos e de entretenimento voltados também à comunidade local, sobretudo aos jovens – pode chegar à casa de 50 unidades no País até 2022.

"A mensagem formal da companhia é de 30 [empreendimentos nesse prazo], mas acredito que possamos chegar a 50 sem nenhuma dificuldade", diz Fabio Andrade, diretor de Desenvolvimento de Negócios. Na análise dele, o Brasil tende a ser o país com maior participação no grupo, considerando a América Latina, ao final desse período. "Falando de países individualmente, o Brasil vai se equiparar [em relevância no portfólio] aos Estados Unidos", compara.

O aporte do grupo – que tem entre seus investidores Adam Neumann, fundador da WeWork – para tanto deve remontar a US$ 50 milhões. "O plano no Brasil é de chegar a 10 mil camas [até 2022]. Como o custo de conversão é de cerca de US$ 5 mil por cama, o investimento vai girar em torno de US$ 50 milhões", estima Andrade, que foi um dos painelistas da sessão de abertura do GRI Hotéis Brasil 2019.

A Selina já está presente em diversas outras localidades latino-americanas, mas só em 2018 fincou bases efetivamente por aqui. "A demora pra entrar no País foi justamente para entender a complexidade. Já temos unidades em funcionamento na Argentina, no Peru, na Colômbia, no Equador, mas faltava o Brasil porque a empresa entendia que seria muito complexo – a começar pelo idioma, questão que já está sendo superada", conta Andrade.

Segundo o executivo, a ideia é fechar 2019 com oito a dez aberturas no Brasil – o que daria ao País uma participação estimada em 10% no total do portfólio do grupo – e crescer ainda mais aceleradamente em 2020.
 

Primeiros passos: Rio e Florianópolis

Hoje, estão em operação no Brasil duas unidades, uma aberta oficialmente na Lapa, no Rio de Janeiro, e outra em Florianópolis, funcionando em esquema soft opening, com inauguração formal marcada para agosto.

O desempenho do empreendimento da Lapa – composto por um prédio histórico e um novo – superou as previsões. "Tem sido bem surpreendente. Normalmente, a expectativa para um primeiro ano de operação é de uma média de 45% a 50% de ocupação. Entretanto, nesses primeiros meses, conseguimos bater uma média de 65% de ocupação", relata Andrade.


Fachada do empreendimento da Selina na Lapa, Rio de Janeiro - RJ. /Crédito: Divulgação Selina

A unidade junta hospedagem, co-working, restaurante, bar e até uma rádio. "Os millennials e hipsters ali do Rio estão encontrando na Selina um lugar bacana para sair à noite também. Estamos atingindo nosso objetivo que é competir com o F&B [food and beverage] local. Além disso, com a proposta da rádio, que transmite online, os DJs têm trazido bastante público para se divertir na unidade", afirma o executivo.

Se na Lapa a proposta foi transportar para o empreendimento o espírito reinante no entorno da boemia e da música, em Florianópolis, a ideia se centrou em focar o mar, o esporte e a presença de um hub de companhias de tecnologia, fortes características locais. "Já fechamos parcerias com empresas que vão se instalar e utilizar nosso co-working. Nosso público são os 'Macpackers', pessoas que têm um MacBook de US$ 3 mil na mochila e trabalham em qualquer lugar", reforça ele.


Detalhe do empreendimento na Lapa. /Crédito: Divulgação Selina.

A vez de São Paulo: Vila Madalena e centro

As próximas unidades da Selina no Brasil serão em São Paulo: uma na Vila Madalena e outra no centro.

Na Vila Madalena, a obra deve terminar no começo de junho, quando devem entrar em atividade co-working, restaurante e bar. Já em agosto, inicia-se o funcionamento do hotel, que ainda aguarda licenças por conta da adaptação do edifício original, comercial.

O projeto do centro, por sua vez, na conhecida rua Vieira de Carvalho, vai ocupar o antigo Hotel Bourbon. A unidade vai juntar hotel, co-living, co-working, café e bar em estilo cubano. "Fechamos uma parceria com a Gamaro, que fez a compra do imóvel, e agora está em andamento o retrofit", relata Fabio Andrade.

Além disso, estão no pipeline da Selina outras localidades. "Já estamos em fase de discussão de contrato para Parati, Jericoacoara e Pipa, sem falar em mais um [empreendimento] no Rio", antecipa ele.

No Brasil, o mix de localizações deve contemplar cidades primárias, com grande potencial turístico, metrópoles, destinations (como a própria Jericoacoara) e remote locations, ou seja, lugares distantes e pouco acessíveis.
 

Modelo diferenciado

A relação com a Gamaro exemplifica claramente o modelo adotado pela Selina. As particularidades não estão apenas no público-alvo e no mix de produtos oferecido nos empreendimentos, priorizando a experiência – customizada para cada localidade – e a interação em hospedagem, trabalho, moradia e entretenimento.

A regra para a implementação das unidades também é bastante particular. Basicamente, a Selina aluga imóveis por longo prazo (20 anos), diretamente com o proprietário, executa seu retrofit com recursos investidos pelo próprio dono, e concentra-se na operação.

"O contratos são de locação pura. Não fazemos nenhum management agreement. Alugamos a estrutura por completo, com total foco em real estate porque, na nossa visão, a parte de hotelaria só vai representar 50% das nossas receitas. Os outros 50% virão das demais atividades", detalha Andrade. "Negociamos com os proprietários para que façam um investimento na propriedade, pois a Selina não compra nem aporta capital na conversão", completa.

O processo de reforma costuma durar cerca de quatro meses. Iniciada a operação da unidade, ela volta a ser modernizada de tempos em tempos. "Fazemos uma reserva em cima do nosso P&L [demonstrativo de lucros e perdas] para que sempre seja realizada uma atualização a cada cinco ou seis anos."

As negociações dos imóveis no País, atualmente, têm sido essencialmente individuais. "Isso porque focamos muito na localização e dificilmente um parceiro tem mais de um produto exatamente onde queremos estar. Mas somos também uma empresa de oportunidades. Então, avaliamos, sim, algumas outras ofertas; porém, ainda não conseguimos encontrar esse parceiro que ofereça o que precisamos", esclarece Fabio Andrade.
 

GRI Residencial Brasil 2019

O co-living, um dos eixos de atuação da Selina, está entre as grandes tendências do segmento imobiliário de moradias e é pauta do GRI Residencial Brasil 2019. Saiba tudo sobre a programação e veja como participar.

Related News
←  SHARE
Real Estate
GRI
X
Privacy policy and how we use cookies
We use cookies to give you the best experience on our website.
By continuing we'll assume you're on board with our privacy police
Accept and hide this message