Your application for a Courtesy Membership is under review

We have just received your information and we will get back to you shortly. Check out the steps below:

Information sent


2

Application in analysis


3

Feedback email


4

Complimentary access activated

* Required fields
I confirm that I have read and agree to the Terms and Conditions of GRI Club
Crédito: Envato Elements
Português

Referência em iBuyer, Opendoor comercializa 3000 imóveis/mês

Americana recebeu mais US$ 300 milhões em investimentos para impulsionar expansão geográfica e novos produtos.

3 MIN READAugust 09, 2019
 Criada em 2014 e referência global do modelo iBuyer, que vem se disseminando mundo afora, inclusive no Brasil, a americana Opendoor, após um 2018 de intenso crescimento, segue avançando em ritmo acelerado neste ano. Nos primeiros meses de 2019, a média de imóveis comprados e vendidos por meio da plataforma a cada 30 dias ficou próxima a 3 mil unidades, considerando os 23 mercados dos Estados Unidos em que atua. Do início das operações até aqui, a empresa se aproxima de 40 mil clientes atendidos e o plano é ir além, ampliando a oferta de produtos e a penetração geográfica.

No modelo iBuyer, uma plataforma de marketplace, fortemente embasada em ferramentas tecnológicas, analisa imóveis e faz ofertas para compra rápida – próxima ao instantâneo, de onde vem o termo iBuyer. A regra costuma ser adquirir ativos de vendedores que se encaixam em seu escopo com certo desconto de preço, prevendo revenda ágil por valor acima do de compra – e, muitas vezes, reformas que agreguem valor à propriedade. Para o cliente, além de transações mais velozes, a menor burocracia costuma funcionar como atrativo.

"Nossa missão é tornar a compra e venda de residências descomplicada e instantânea. Nosso foco é gerar a melhor experiência ao consumidor", resume Eric Wu, CEO e cofundador da Opendoor. Como parte dessa facilitação, diversos serviços são providos – de escritura e seguros a reparos e financiamento.

Além da Opendoor, outro benchmark internacional, igualmente americano, é a Offerpad, nascida em 2015. No Brasil, Grupo Zap e Loft são exemplos de companhias que vêm dando seus primeiros passos nesse campo.

Em busca de escala

No caso da Opendoor, a palavra de ordem tem sido escala. Para bancar esse movimento, a companhia levantou recentemente recursos adicionais da ordem de US$ 300 milhões junto a investidores como General Atlantic, Hawk Equity, SoftBank Vision Fund, Access Technology Ventures, Lennar Corporation, Fifth Wall Ventures, SV Angel, Norwest Venture Partners, NEA, GGV Capital, Khosla Ventures e GV. 

No total, o capital obtido junto a investidores estratégicos remonta a US$ 1,3 bilhão, além de financiamentos da ordem de US$ 3 bilhões. O time hoje é de 1,3 mil colaboradores dedicados ao negócio.

Apoiada num discurso contemporâneo de defesa da mobilidade de moradia, para acompanhar as fases da vida e as opções de carreira dos indivíduos – bem próximo do praticado no negócio de residenciais para renda –, a Opendoor adota um conjunto de práticas e ferramentas para simplificar a vida de seus clientes. Visitar um imóvel que conste em seu rol, por exemplo, é extremamente fácil: basta ao cliente destravar a porta de entrada via aplicativo da empresa nos horários permitidos (entre 6h e 21h), sem requisição de agendamento prévio. Em 2018, mais de 800 mil visitas foram feitas, impulsionadas por essa desburocratização.

No processo de compra, a companhia declara pagar preços justos, de mercado, e cobrar uma taxa de serviço que costuma girar entre 6% e 8% do valor da propriedade, podendo chegar a 13%, dependendo da previsão de tempo para concretização da revenda. A avaliação dos ativos é oferecida gratuitamente. 

A Opendoor, pelo menos até aqui, opera apenas no segmento de imóveis residenciais. As propriedades, normalmente – com variações conforme cada localização –, têm valor entre US$ 100 mil e US$ 500 mil, se situam em terrenos de até 2 mil metros quadrados e foram construídas nas últimas décadas (pós-1960). 
 

Brazil GRI 2019

Brazil GRI 2019

O modelo iBuyer é tema de uma das discussões do Brazil GRI 2019. O evento que se consolidou como grande ponto de encontro dos líderes do setor imobiliário no País chega à sua décima edição, marcada para 12 e 13 de novembro. 


No debate sobre o modelo iBuyer, os participantes analisarão se essa é uma tendência que veio para ficar, qual o formato ideal para o mercado nacional, o que se pode aprender com exemplos do exterior e quais são os principais desafios para ganhos de escala e para um negócio saudável financeiramente. Saiba mais sobre a programação e inscreva-se para participar.
Related News
←  SHARE
Real Estate