Português

Pesquisa indica maior demanda e valorização de escritórios

3 MIN READFebruary 11, 2019
A maioria dos empresários e investidores atuantes no segmento de escritórios no País acredita em ampliação da demanda e valorização desses imóveis nos próximos 12 meses, indica a pesquisa Termômetro do GRI realizada em fevereiro.

Quase 77% entendem que deve haver um pequeno (66,7%) ou grande (10,0%) crescimento da procura por esse tipo de empreendimento nesse horizonte. Há um ano, a fatia dos que faziam essa avaliação era bem menor, de 61,3%. Dois anos trás, de 40,0%.

Aproximadamente 69% dos ouvidos pelo GRI Club neste início de 2019 dizem contar com valorização dos imóveis corporativos com objetivo de renda nos 12 meses pela frente, seja essa valorização pequena (65,5%) ou grande (3,4%). Trata-se de um aumento de 23 pontos percentuais na comparação com o observado na sondagem de 2018 e de 45 pontos percentuais versus 2017.
 
"Essa expectativa positiva que notamos hoje se sustenta em parte na percepção de que o mercado de escritórios já está em fase de recuperação. É o que apontam 58,6% dos consultados pelo GRI Club. Outros 38,0% entendem que o segmento ainda se encontra no fundo do ciclo", afirma Robinson Silva, líder do GRI Club para Mercado Imobiliário no Brasil.

Cap rates para compra e venda

Questionados a respeito do cap rate adequado para aquisição de escritórios de alto padrão atualmente, os empresários manifestaram opiniões diversas, com maior concentração nas faixas de 8% ao ano (38,0% da amostra) e 9% ao ano (24,2%). Para 10,3%, não é hora de realizar compras – mas há que se observar que esse grupo vem perdendo representatividade nos resultados da pesquisa ao longo dos últimos dois anos (eram 23,6% em 2017 e 17,5% em 2018).

Já para venda de escritórios de alto padrão, o cap rate considerado acertado converge para duas faixas principais: 7% ao ano (24,1%) e 8% ao ano (27,7%). Uma fatia considerável, de 20,7%, analisa que se desfazer de ativos agora não seria uma boa estratégia, proporção praticamente igual (20,6%) à de 2018. 

São Paulo e Rio

Quando se trata do mercado paulistano, a expectativa é de que os valores de locação retornem ao patamar pré-crise em 24 a 36 meses, sinalizam 75,9% dos ouvidos pelo GRI Club. Outros 13,8% apontam para 36 meses e 10,3%, mais pessimistas, argumentam que os valores não retomarão aquele nível.

As localidades da cidade de São Paulo preferidas para desenvolvimento de escritórios permanecem praticamente as mesmas dos anos anteriores, com a avenida Faria Lima e os bairros do Itaim Bibi e da Vila Olímpia nas três primeiras posições. A partir da quarta colocação, entretanto, veem-se mudanças: Pinheiros (4º lugar) subiu no ranking, passando à frente da avenida Paulista (5º); e a avenida Engenheiro Luís Carlos Berrini (6º) ganhou atratividade, ultrapassando a Chácara Santo Antônio (7º).

Para investimento em imóveis corporativos prontos, novamente a avenida Faria Lima vem no topo, seguida por Itaim, Vila Olímpia, avenida Paulista, Pinheiros, avenida  Engenheiro Luís Carlos Berrini e Chácara Santo Antônio. Itaim e Pinheiros foram as localidades que galgaram posições em 2019 frente a 2018.

No que toca ao Rio de Janeiro, o Termômetro do GRI indica que ainda levará tempo para a retomada de investimentos: 48,3% avaliam esse mercado como nada atrativo e outros 48,3%, pouco atrativo. Por outro lado, 3,4% alegam forte interesse por essa localidade.

Para a sondagem, o GRI Club ouviu 32 players atuantes no segmento de escritórios do País em fevereiro.

GRI Escritórios Brasil 2019


As perspectivas e tendências do mercado de escritórios são tema do GRI Escritórios Brasil 2019, que acontece em 13 e 14 de março em São Paulo. O evento vai reunir os principais players do setor. Veja como será a programação

 
Related News
←  SHARE
Real Estate
GRI
X
Privacy policy and how we use cookies
We use cookies to give you the best experience on our website.
By continuing we'll assume you're on board with our privacy police
Accept and hide this message