Your application for a Courtesy Membership is under review

We have just received your information and we will get back to you shortly. Check out the steps below:

Information sent


2

Application in analysis


3

Feedback email


4

Complimentary access activated

* Required fields
I confirm that I have read and agree to the Terms and Conditions of GRI Club
Crédito: Flávio R. Guarnieri / GRI Club
Português

Economista-chefe da XP destaca bons fundamentos na retomada econômica do Brasil

No GRI Loteamentos 2021, Caio Megale compartilhou projeções e análises com os participantes

August 18, 2021

No painel de abertura do GRI Loteamentos 2021, o economista-chefe da XP Investimentos, Caio Megale, falou sobre o atual cenário político-econômico brasileiro e o que esperar em relação à retomada do crescimento no país. 

O primeiro destaque é que a queda do PIB foi menor e a recuperação será mais pujante nos países emergentes. As projeções do Fundo Monetário Internacional (FMI) apontam para uma média de crescimento de 6% nas principais economias globais em 2021, seguida por novo avanço de 4,4% em 2022. A China deve crescer 8,4% e 5,6% e a Índia 12,5% e 6,9%, ambas respectivamente. 

Segundo a XP Investimentos, a economia do Brasil vai crescer 5,5% em 2021, frente a uma queda de 4,1% no ano passado. Além da importância das vacinas atualmente e da tecnologia durante todo o confinamento em razão da pandemia, outro destaque para a retomada é que não se trata de uma crise do sistema financeiro, o que deve resultar em um crescimento mais acelerado. 

Neste sentido, vale ressaltar que a recuperação no Brasil já é surpreendente, uma vez que o consenso do mercado financeiro é de uma alta do PIB superior a 5% em 2021, ao passo que no início do ano as projeções apontavam para uma alta na casa de 3%. Alguns fatores ajudam a explicar este cenário, como as menores restrições e o aumento da mobilidade mesmo com uma segunda onda de covid-19 mais agressiva.

Commodities em alta, mas câmbio continua desvalorizado

A valorização das commodities também tem consequências positivas para o país, já que o Brasil é grande produtor e exportador. Por outro lado, o impacto na inflação tem sido mais duro do que em outros ciclos, já que o Real continua desvalorizado devido ao risco fiscal. 

A título de comparação, em outros países exportadores de commodities, como México e Chile, as moedas se valorizaram mais expressivamente frente ao dólar. Segundo Megale, o cenário de normalidade teria uma relação de R$ 4,30 a R$ 4,50 frente à moeda americana. A previsão da XP é que a taxa de câmbio encerre o ano a R$ 4,90, sem grandes alterações ao longo de 2022. 

Caio Megale alertou para os principais riscos à retomada da economia, mas acredita que o Brasil avançou nesta agenda nos últimos anos. Foto: Flávio R. Guarnieri/GRI Club

A inflação deve subir mais um pouco e superar os 9% no acumulado de 12 meses devido a um conjunto de fatores, como o desequilíbrio entre oferta e demanda e as adversidades climáticas, além da já mencionada pressão cambial. A expectativa, porém, é que haja uma rápida desaceleração e o IPCA encerre 2021 em 6,7%. 

A acomodação dos preços deve continuar no ano que vem: em fevereiro, a inflação deve baixar a casa dos 4,5%, encerrando 2022 em 3,6%, de acordo com a XP.

Respeito ao teto de gastos é fundamental

Um dos pontos de maior atenção para a retomada econômica do país é a elevada relação dívida/PIB, que saltou de 75% em 2018 para 88,8% no final do ano passado em razão da necessidade de injeção de capital na economia: foram R$ 60 bilhões por mês através do auxílio emergencial (como comparação, o Bolsa Família tem um custo máximo aproximado de R$ 30 bilhões por ano). 

O economista-chefe da XP destacou a importância do respeito ao teto de gastos e às políticas de austeridade fiscal. Neste caminho, o país deve encerrar o ano com uma redução importante da dívida bruta para 79,9% do PIB, segundo a projeção.

Além da questão fiscal, uma grande preocupação é com o clima, dada a grande dependência que o Brasil tem das chuvas. Se o próximo período chuvoso não atender as expectativas, poderá haver racionamento e elevação dos custos de energia, o que certamente seria muito prejudicial ao crescimento do país. 

Outros possíveis riscos para a retomada da economia são as eleições presidenciais de 2022 - tanto pelo aumento de gastos do governo federal quanto pela incerteza sobre que política será adotada pelo próximo presidente - e o excesso de estímulos do governo dos Estados Unidos à economia, pois se o fiscal “escorregar” e a inflação subir por lá, a correção de juros indicada pelo FED terá que ser maior que o esperado, prejudicando a entrada de investimentos no Brasil. 

Painel teve boa participação da audiência. A capacidade do evento foi limitada a 50%, respeitando os protocolos sanitários. Foto: Flávio R. Guarnieri/GRI Club

O grande trunfo do país, segundo Megale, são os fundamentos construídos ao longo dos últimos anos, como a criação e o cumprimento do teto de gastos públicos, a lei da liberdade econômica, a autonomia do Banco Central e a mudança na política de fomento do BNDES, dentre outros. “O próximo ano será turbulento, mas haverá um céu azul adiante se mantivermos o leme na direção das reformas. Os fundamentos são bons”, disse o economista.

IGP-M, Selic, emprego, reformas tributária e administrativa

A moderação do painel foi realizada pelo sócio da Brain Inteligência Estratégica, Guilherme Werner, e a segunda metade foi destinada a um debate sobre outras questões, como a retomada do emprego. Para Megale, a lentidão na melhoria deste indicador se deve ao fato de que mais pessoas estão disponíveis no momento. Conforme observado nos dados do Caged, o mercado formal está aquecido, tendência que deve se espalhar para toda a economia nos próximos meses.

A utilização do IGP-M nos contratos também foi questionada. O economista-chefe da XP Investimentos afirmou que não faz sentido tê-lo como indexador dada sua volatilidade histórica. Assim, destacou-se a importância da substituição pelo IPCA (embora no recorte de longo prazo as taxas caminhem praticamente “juntas”, o IPCA tem menos oscilações). 

O sócio da Brain, Guilherme Werner (à direita), foi responsável pela moderação do painel e deu boas contribuições ao debate. Foto: Flávio R. Guarnieri/GRI Club

Frente ao movimento de alta da Selic nas últimas reuniões do Comitê de Política Monetária do Banco Central, a expectativa é que a taxa básica de juros encerre 2021 em 7,25%, nível mantido em 2022 nas projeções da XP. Já em 2023, pode haver um ligeiro recuo para 6,5% ao ano desde que a inflação fique abaixo dos 4% no acumulado de 12 meses. 

Sobre as reformas, Megale acredita que o risco político nos leva a uma discussão pouco madura em relação aos tributos. O ideal é que as propostas sejam amplamente debatidas e que haja uma regra de transição por um período não menor do que quatro anos, de modo que os impactos nas empresas sejam minimizados. 

O otimismo é um pouco maior com a reforma administrativa, vista como fundamental para reduzir o gasto do Estado. Mesmo assim, os efeitos serão percebidos apenas no longo prazo, já que as mudanças somente serão válidas para novos entrantes do serviço público.

Por Henrique Cisman

Related News
←  SHARE
Real Estate