Quarto da Suite Imperial do Mandarin Oriental Hyde Park, em Londres. Crédito: Divulgação
Português

Brasil é prioridade na América do Sul, diz Mandarin Oriental

2 MIN READJune 07, 2019

O Brasil é prioridade, o mercado mais importante para o grupo hoteleiro de luxo Mandarin Oriental ao se tratar da América do Sul, mas sem pressa, apenas quando for encontrada a oportunidade adequada, diz Francesco Cefalu, diretor de Desenvolvimento Regional para Emea (Europa, Oriente Médio e África) e América do Sul.

"Tem que ser o dono certo, a localização certa, a oportunidade certa; senão, podemos esperar. Claramente, queremos crescer no Brasil e talvez depois venha Buenos Aires como lugar natural. O mais importante é que é a demanda e as bases do mercado [brasileiro] estão presentes, mesmo neste momento difícil, nesta situação geopolítica e macroeconômica do País", afirma ele, que conversou com o GRI Hub durante sua participação no GRI Hotéis Brasil 2019.


Francesco Cefalu, diretor da Mandarin Oriental | Crédito: GRI Club /  Flávio Guarnieri

No Brasil, São Paulo é o mercado mais visado. Em seguida, vem o Rio de Janeiro. Um resort também é uma possibilidade, com estratégia oportunista. E mesmo com a chegada de novos players ao País, como Four Seasons, Rosewood e Tangará, continua a existir espaço para um empreendimento de luxo, analisa Cefalu. "Há demanda e achamos que, apesar de todos esses projetos, não há hotel de luxo definitivo em São Paulo nem no Rio", aponta ele.

Entrada pelo Chile

A chegada do grupo à América do Sul se deu recentemente, via Chile. "Entramos no Chile porque, em um projeto de luxo, é fundamental ter o produto e a visão do dono a longo prazo. Encontramos isso com o olhar de reposicionamento do antigo Grand Hyatt em Santiago, com o [proprietário] Corp Group [Hotel Corporation of Chile], e esperamos achar o mesmo no Brasil."

Em meados de 2017, a Mandarin Oriental assinou um contrato para operar o antigo Grand Hyatt Santiago, que temporariamente está sendo chamado de Hotel Santiago, durante o processo de renovação com portas abertas, pré-rebranding. "Estamos fazendo uma renovação para reposicionar o empreendimento porque queremos entrar na América do Sul do jeito certo e ter um hotel que apresenta o que a marca quer ser não só como produto, mas como serviço", descreve Francesco Cefalu. A atuação no Chile terá também um segundo empreendimento, em Viña Del Mar.

Adicionalmente, interessam na região Peru e Colômbia; porém, a estratégia prevê um passo de cada vez. "Somos uma companhia pequena, e conseguir o equilíbrio do projeto certo, budget certo e dono certo não é fácil. O foco agora é completar Santiago e no Brasil – São Paulo em particular. Não podemos fazer tudo [ao mesmo tempo]. Não somos Marriott ou Accor nem queremos ser. Somos muito diferentes e especializados", arremata o executivo.

O Mandarin Oriental – parte do Jardine Matheson Group – é um grupo internacional centrado em investimento e gestão de hotéis, resorts e residências de luxo. De origem asiática, soma seis décadas de atuação e hoje opera 32 hotéis e seis residenciais em 23 países e territórios. Os ativos do grupo estão estimados em cerca de US$ 5,8 bilhões (dado de dezembro de 2018).

GRI Club Real Estate Brazil

A agenda do GRI Club Real Estate tem sempre discussões voltadas ao mercado hoteleiro no País. Confira a programação dos próximos meses.

Related News
←  SHARE
Real Estate
GRI
X
Privacy policy and how we use cookies
We use cookies to give you the best experience on our website.
By continuing we'll assume you're on board with our privacy police
Accept and hide this message