GRI
Português

Aprovada a lei dos distratos. E agora?

5 MIN READDecember 06, 2018

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, no dia 05 de dezembro de 2018, o texto do PL nº 1220/2015, que passará a disciplinar os direitos e deveres das partes nos casos de resolução dos contratos de aquisição de imóveis, alterando a lei de incorporação imobiliária (Lei nº 4.591/64) e a lei de parcelamento do solo urbano (Lei nº 6.766/79), conhecida como Lei dos Distratos.

Como é sabido, o número de distratos atingiu proporção tamanha que levou muitas empresas a situação de grande dificuldade financeira e afetou profundamente o mercado. Dentre as consequências negativas, podem ser mencionadas a dificuldade de saldar os débitos dos financiamentos bancários, o aumento dos estoques, redução dos lançamentos, retração do mercado e aumento considerável do desemprego no setor.  Além disso, a facilidade com que se permitia o desfazimento do negócio, com recebimento pelo desistente de praticamente tudo o que pagou, passou a ameaçar a própria conclusão das obras, por falta de recursos, prejudicando os adquirentes que cumpriam seus contratos. 

A nova lei sinaliza para as partes que o contrato terá força vinculativa, trazendo consequências no caso de seu descumprimento, regulando de forma mais específica e detalhada a quantia a ser devolvida e a forma de devolução dos valores. Para as incorporações imobiliárias, fica estabelecida a retenção de 50% dos valores pagos, nos casos de incorporação subordinada ao patrimônio de afetação, com a devolução em até 30 (trinta) dias após o habite-se. Nas demais incorporações, a retenção será de 25% e a devolução em parcela única até 180 dias do desfazimento do contrato, ou em 30 dias da revenda da unidade distratada. 

Veja-se que no patrimônio de afetação, como previsto em lei desde 2004 (justamente em favor dos consumidores), todos os recursos pagos pelos adquirentes são destinados à conclusão das obras e não podem ser utilizados para outra finalidade pelo incorporador.  Por tal razão, justifica-se a disposição da nova lei que a devolução ocorrerá em percentual menor e somente após término das construções. Esse tratamento diferenciado para o patrimônio de afetação vai ao encontro da tese que defendemos em artigo na própria GRI Magazine Real Estate em meados de 2016.

O projeto aprovado traz a possiblidade de retenção das despesas de comissão de corretagem e, se o imóvel já estiver sido disponibilizado ao adquirente, podem ser deduzidas também despesas de condomínio e IPTU, além da fruição de 0,5% do valor do imóvel. 

Para os loteamentos, está prevista a possibilidade de retenção de até 10% do valor do contrato (não dos valores pagos) e a devolução de tais valores em até 12 parcelas mensais. A indenização por fruição, nesse caso, será de 0,75% do valor do contrato.

A lei também cristaliza a prática de mercado, aceita pela jurisprudência, de que pode haver atraso de obra de até 180 dias, sem penalidade. Porém, traz segurança para o adquirente quanto ao prazo de entrega do imóvel, pois se houver atraso maior, o adquirente pode resolver o contrato recebendo a integralidade dos valores pagos e a multa prevista em contrato. Por outro lado, se o adquirente optar por manter o negócio, receberá indenização equivalente a 1% do valor efetivamente pago, para cada mês de atraso adicional.

Em linhas gerais, o texto final representa um considerável avanço para solucionar os conflitos e harmonizar o mercado. A primeira questão, portanto, é se o presidente Temer irá sancioná-lo ou, ainda, se vetará alguma disposição específica (o que faria o projeto retornar ao Congresso para análise do veto). Consideramos mais provável que o projeto seja sancionado em sua forma atual. 

Resta saber como a lei será recebida pelo Poder Judiciário, especialmente pelos magistrados que seguem uma linha de excessiva proteção ao consumidor, que podem apresentar certa resistência a alguns pontos da lei. É provável, inclusive, que haja decisões no sentido de que as novas regras não seriam aplicáveis aos processos em curso ou, até mesmo, aos contratos já firmados. 

Esperamos que o Judiciário tenha a mesma sensibilidade que teve no caso o Congresso Nacional, de que havia um grave desequilíbrio que afetava a sociedade como um todo e que era necessário um ajuste no sentido da razoabilidade e segurança. Cabe a todos nós contribuir para que essa visão prevaleça. 

Rodrigo Bicalho, sócio do Bicalho e Mollica Advogados e membro do comitê jurídico do GRI Club Real Estate.


Este artigo é de responsabilidade do autor e não representa necessariamente a opinião do GRI Hub. 

 

Related News
←  SHARE
Real Estate
GRI
X
Privacy policy and how we use cookies
We use cookies to give you the best experience on our website.
By continuing we'll assume you're on board with our privacy police
Accept and hide this message