Português

Altana é nova incorporadora a aderir ao peer-to-peer lending

4 MIN READOctober 11, 2019

 A Construtora Altana é a mais nova incorporadora brasileira a aderir ao modelo peer-to-peer lending a fim de levantar recursos tanto para o negócio como um todo como para empreendimentos específicos. A primeira captação, corporativa e lastreada em estoque, se inicia na próxima segunda-feira, 14 de outubro. Na sequência – a começar em uma ou duas semanas –, está programada uma segunda rodada, focada no La Vista Lapa, residencial a ser lançado no primeiro semestre de 2020 em São Paulo. A expectativa é atrair cerca de R$ 6 milhões, somando ambas as operações.   

O peer-to-peer lending, ou simplesmente P2P, vem ganhando espaço no mercado imobiliário brasileiro ao conectar diretamente investidores e incorporadoras. Trata-se da conhecida estratégia do empréstimo entre indivíduos, porém repaginada em tempos de economia compartilhada e facilitada pelo advento das plataformas digitais – e, claro, impulsionada por investidores ávidos por melhores rendimentos frente a um cenário de Selic baixa e em vias de novas quedas. No caso da Altana, a parceira escolhida para desbravar esse novo caminho foi a Cap Rate, que já fez o mesmo tipo de trabalho para a Vitacon

"Esta primeira captação, corporativa, é de curto prazo, para repagamento em 12 meses, e oferece juros menores. Já a segunda, para repagamento em 30 meses, por ser mais longa, terá taxas um pouco maiores", diz Frederico Azevedo, diretor-presidente da Altana. 

Os aportes dos investidores serão viabilizados a partir de uma página na internet desenvolvida pela Cap Rate exclusivamente para a Altana. O investidor se cadastra, define o valor que está disposto a desembolsar, realiza e confirma a transferência. Após a conclusão da captação, é emitido um título relativo ao investimento (um certificado de depósito bancário – CDB – atrelado à operação) e, ao final do prazo, o investidor recebe de volta o principal acrescido dos juros combinados (pré-fixados). O investidor pode optar por valores a partir de R$ 1 mil e, no caso da primeira captação, a taxa de juros estipulada é de 12,1%.


Tendência de financiamento ao setor imobiliário para o médio prazo

Frederico Azevedo vê no uso do P2P uma tendência forte de financiamento ao setor de real estate para o médio prazo, e o considera mais adequado a esse mercado do que o crowdfunding. O crowdfunding, regulado pela Comissão de Valores Mobiliários (ICVM 588), prevê limite de faturamento da companhia tomadora na casa de R$ 10 milhões anuais e também que cada oferta pode levantar no máximo R$ 5 milhões. Já o P2P, regulamentado pelo Banco Central (resolução 4.656/18 do Conselho Monetário Nacional), não apresenta essas restrições – apenas determina que cada investidor empreste até R$ 15 mil a um mesmo devedor, exceção feita a investidores qualificados –, o que favorece sua adoção por incorporadoras.

"Acredito que o P2P lending seja o futuro porque é muito difícil encontrar uma incorporadora com faturamento inferior a R$ 10 milhões ao ano, que é o limite para uma startup. A Altana nem poderia fazer crowdfunding. Já o P2P é uma solução interessante. Em vez ir ir ao banco, pegar um empréstimo e pagar juros mais altos, já nos conectamos diretamente com as pessoas. Elas ganham mais do que colocando dinheiro no banco e nós pagamos menos. Todos se beneficiam", analisa ele.

O diretor-presidente da Altana também compreende como vantagem ao investidor o fato de o retorno no peer-to-peer lending ser preestabelecido. "Quando se faz a captação via crowdfunding, por lei, não se pode prometer um rendimento. Por outro lado, no P2P lending, com a remuneração fixada, independentemente do resultado do projeto e do prazo de pagamento, está tudo amarrado. É uma operação que traz muito menos riscos ao investidor."


Pipeline de projetos e novas captações

Pipeline de projetos e novas captações
Fachada do La Vista Lapa | Crédito: Divulgação

O La Vista Lapa, objeto da segunda captação P2P da Altana, será um empreendimento residencial de 222 unidades compactas – estúdios e apartamentos de dois dormitórios – lançado em parceria com a Floor Incorporadora. "Bem localizado, a 100 passos do metrô, terá viés de mobilidade, bicicletário, lavanderia coletiva e rooftop com lazer e vista definitiva para a Serra da Cantareira", informa Azevedo. 

Para os próximos nove meses, há outros dois projetos no pipeline, um em Itapecerica da Serra (Grande São Paulo), com 368 unidades, e outro em Sumaré (interior paulista), com 508 unidades. Para ambos, que serão 100% da Altana, a companhia estuda fazer novas captações de funding. Esses dois e o empreendimento da Lapa devem corresponder a um valor geral de vendas (VGV) de R$ 220 milhões. 

Azevedo adianta que, para o segundo semestre de 2020, a Altana tem previsão de mais dois lançamentos com a Floor Incorporadora. "Estamos desenvolvendo um pipeline de projetos semelhantes [ao La Vista Lapa] em São Paulo, todos próximos a estações de metrô e com foco em mobilidade urbana", diz.

A Altana, desde 2009, mantinha parceria com a Paladin Realty Partners. "Já concluímos 100% dos empreendimentos e continuamos administrando a venda dos [imóveis] remanescentes, mas não pretendemos fazer novos lançamentos com a Paladin. Agora, queremos um voo solo", informa Azevedo.

Related News
←  SHARE
Real Estate
GRI
X
Privacy policy and how we use cookies
We use cookies to give you the best experience on our website.
By continuing we'll assume you're on board with our privacy police
Accept and hide this message