Alberto Ruy/MInfra
Português

PPP é via para desenvolvimento do setor rodoviário

5 MIN READApril 25, 2019

A realização de parcerias público-privadas (PPPs) para o setor rodoviário é uma alternativa defendida por Gregoire Gauthier, especialista em Transportes do Banco Mundial no Brasil, e César Borges, presidente da Associação Brasileira das Concessionárias de Rodovias (ABCR). Os especialistas foram ouvidos pelo GRI Hub durante o GRI PPPs e Concessões Brasil 2019, realizado em 28 de março.

"Cada vez que se pode fazer uma concessão, é muito melhor. Contudo, no caso de transportes, há rodovias com tráfego menor, o que demandaria um aporte público para dar rentabilidade financeira decente ao operador privado. Cálculos do DNIT [Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes] feitos no ano passado apontam que, dos [cerca de] 60 mil quilômetros da rede rodoviária federal pavimentada, 15 mil poderiam funcionar com algum tipo de PPP, com aporte público", declara Gauthier.

"Esse gap de infraestrutura é grande, estimado em 2% do PIB. O recurso da iniciativa privada é essencial, mas não vai ser suficiente. É importante fomentar concessões; porém, grande parte [dos projetos] terá que ser trabalhada com o setor público [por meio de PPPs]", continua ele.

Para Gauthier, uma das possibilidades para esse tipo de parceria é o uso de fundos garantidores, "como o apresentado pelo governador da Bahia, Rui Costa, durante o encontro [GRI PPPs e Concessões Brasil 2019]. "Isso mostra que podemos ter formas de sustentar a PPP, dá segurança e é um fator interessante para avançar", completa.

César Borges corrobora tal posicionamento. "Se falamos de um investimento volumoso, será necessário um aporte do Estado. Não é possível jogar tudo no pedágio. Por outro lado, existe a dificuldade orçamentária. A saída é adaptar os investimentos para as reais necessidades, ou seja, não propor que uma rodovia tenha um padrão acima do que o necessário, evitando um valor [capex] excessivo."

"O setor privado está ávido por parcerias. Havendo bons projetos e segurança jurídica, players nacionais ou internacionais estão dispostos [a investir]", sinaliza Borges.

Projetos interessantes

O presidente da ABCR acredita que as atuais propostas do governo federal, que acaba de completar 100 dias, e de entes estaduais para o segmento de rodovias estão dentro do esperado.

"Os projetos estão interessantes, os governos têm amadurecido e a iniciativa privada quer participar desse esforço para melhorar a infraestrutura brasileira, de retomada de investimentos", diz ele.

Morosidade dos órgãos de controle

Por outro lado, Borges critica o posicionamento de órgãos reguladores, como o Tribunal de Contas da União (TCU). "Os estudos estão a contento, mas o TCU tem sido muito rígido nas apreciações e tem demorado bastante, e isso atrasa o processo."

"Após [o processo licitatório], também há dificuldade no relacionamento entre poder concedente e concessionárias. Comemora-se o leilão, a assinatura do contrato, mas, no momento da implementação, começam a surgir dificuldades – desde a análise de projetos ao reequilíbrio financeiro. Há muitos problemas", declara o líder da ABCR.

Ainda no ambiente regulatório, Borges adverte que é fundamental que as agências reguladoras sejam reforçadas para responder rapidamente aos desequilíbrios econômicos. "Há um ponto de atrito muito grande."

Questionado sobre o Projeto de Lei das Agências Reguladoras (PL nº 6.621/2016, substitutivo do texto original – PLS nº 52/2013), ele advoga que será um avanço. "Defendemos a lei, pois reforça a escolha técnica dos dirigentes das agências e realmente dá condições para fortalecê-las".

Outra medida considerada relevante por Borges é a proposta da Análise de Impacto Regulatório (AIR) nos relatórios da Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) – Projeto de Resolução do Senado (PRS) 52/2018. "A medida determina que, antes da aprovação [de uma proposta] que possa desequilibrar um contrato entre o poder concedente e o concessionário, seja realizado um estudo para ver o impacto regulatório. Ou seja, não é simplesmente fazer um projeto, afirma.

Do ponto de vista da atuação do Banco Mundial, no momento, o foco principal é dar garantias para permitir investimentos privados. "Nossos esforços estão direcionados, principalmente, à geração de um entorno seguro – nos âmbitos regulatório, administrativo e legal – para que bancos de investimentos privados façam o aporte", explica Gregoire Gauthier.  

Greve dos caminhoneiros e melhorias anunciadas

Nos últimos dias, diante da ameaça de uma nova paralisação de caminhoneiros – que fez o Brasil parar em maio do último ano –, o governo federal anunciou uma série de medidas para os trabalhadores da categoria, incluindo a destinação de R$ 2 bilhões para manutenção e pavimentação desse modal. O valor será destinado ao orçamento do Ministério da Infraestrutura.

"Com esse montante, vamos investir em conclusão de obras de duplicação, pavimentação, substituição de pontes de madeira e manutenção de rodovias nos principais corredores logísticos do País", disse o ministro Tarcísio Gomes de Freitas em coletiva de imprensa, no dia 16 de abril.

Infra Latin America 2019

Infra Latin America 2019

Os desafios e avanços do segmento de rodovias brasileiro será um dos temas do Infra Latin America GRI 2019. O evento ocorre nos dias 16 e 17 de maio no The Roosevelt Hotel, em Nova York.


Além do setor de infraestrutura do Brasil, os líderes presentes na 4ª edição da conferência vão abordar os avanços necessários e potenciais oportunidades em toda a região latino-americana, em um ambiente propício ao networking. Para participar, acesse o site do evento.
 

Related News
←  SHARE
Infrastructure
GRI
X
Privacy policy and how we use cookies
We use cookies to give you the best experience on our website.
By continuing we'll assume you're on board with our privacy police
Accept and hide this message