GRI Club/ Antônio Carlos Carreiro
Português

GRI Club Infra analisa futuro do setor aeroportuário

2 MIN READApril 29, 2019

O GRI Club Infra promoveu na última sexta-feira (26 de abril), no escritório do Stocche Forbes Advogados, em São Paulo, um club meeting dedicado ao setor aeroportuário. Em pauta, estiveram a análise da 5ª rodada de concessões de aeroportos, realizada em março, a próxima licitação – prevista para o segundo semestre de 2020 – e o futuro desse segmento.

Para o debate, o clube recebeu os convidados especiais Alceu Justus Filho, diretor de Programa da Secretaria Especial do Programa de Parcerias de Investimentos (SPPI); Ronei Glanzmann, secretário de Aviação Civil do Ministério da Infraestrutura; e Tiago Souza Pereira, superintendente de Regulação Econômica de Aeroportos da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). 

Rodada anterior

Ao analisar o leilão deste ano, Glanzmann detalhou o expressivo ágio e perpassou os pontos aperfeiçoados a partir da quarta rodada e a curva de aprendizado ao longo do processo. 

Realizada em 15 de março, a quinta rodada leiloou os blocos Nordeste – com os terminais de João Pessoa, Campina Grande, Recife, Maceió, Aracaju e Juazeiro do Norte; Sudeste – com Macaé, no Rio de Janeiro, e Vitória, no Espírito Santo –; e Centro-Oeste – aeroportos de Cuiabá, Rondonópolis, Sinop e Alta Floresta, em Mato Grosso. 

Em outubro de 2018, o GRI Club Infra reuniu líderes do segmento para analisar o potencial das licitações. O encontro contou com a presença dos convidados especiais Pedro Bruno Barros de Souza, então secretário de Políticas Públicas do PPI, Tiago Pereira, da Anac, e Ronei Glanzmann, à época diretor de Políticas Regulatórias do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil. Na ocasião, já se destacava o potencial dos blocos ofertados e a modelagem proposta, de alto rigor técnico e com divisão de alocação de riscos, entre outros diferenciais dos leilões anteriores.

Única brasileira a vencer uma das concessões, a Socicam – que participou da disputa por meio do Consórcio Aeroeste (formado com a também nacional Sinart) –, falou ao GRI Hub sobre a importância de ingressar em uma concessão federal e o potencial interesse na nova rodada.

"Sem dúvida, já estamos trabalhando na sexta rodada e temos interesse na sétima também. Tudo indica que a próxima será similar à quinta, com o dinamismo de blocos e regras contratuais similares – sem a participação da Infraero, com ágio pago no início do contrato e outorga variável. Permanecendo tais condições, teremos interesse, sim", afirmou Wanderley Galhiego Junior, diretor de Novos Negócios da companhia. 

Perspectivas futuras

Outros pontos analisados na reunIão de 26 de abril foram a qualidade dos estudos, perspectivas de melhorias e inclusão de novos instrumentos nos contratos. Em estágio inicial, o processo de concessão dos blocos Sul, Norte e Eixo-Central está em fase de realização dos Estudos de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEA). Foram habilitadas 12 empresas para a realização dos Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI). 

De acordo com o edital nº 2/2019, publicado em março no Diário Oficial da União,  na nova licitação serão colocados em leilão 22 terminais. No Bloco Sul, estarão nove terminais sulistas – Curitiba, Foz do Iguaçu, Londrina e Bacacheri, no Paraná; Joinville e Navegantes, em Santa Catarina, e Pelotas, Uruguaiana e Bagé, no Rio Grande do Sul. O Bloco Norte será composto por sete aeroportos – em Manaus, Tabatinga e Tefé, no Amazonas; Porto Velho, em Rondônia; Rio Branco e Cruzeiro do Sul, no Acre; e Boa Vista, em Roraima. No terceiro lote, o chamado Eixo Central, estarão seis terminais – Goiânia, em Goiás; São Luís e Imperatriz, no Maranhão; Teresina, no Piauí; Palmas, no Tocantins; e Petrolina, em Pernambuco. 

Os participantes, por sua vez, fizeram questionamentos a respeito da matriz de risco, inovações que podem ser incorporadas, como a possibilidade de financiamento da outorga, e o futuro da Infraero. 

No encontro, o representante do Ministério da Infraestrutura ressaltou ainda que uma das metas do governo federal é promover a abertura do transporte aéreo brasileiro. A reforma da Previdência e o aprimoramento regulatório foram outros assuntos discutidos. 

Cerca de 50 players participaram do club meeting, como Alexandre Monteiro (RIOgaleão), André Chiarini (Infra Partners), Daniel Rizzotti de Oliveira (Carioca Engenharia), Eduardo Camargo (CCR Aeroportos), François Deveza (ADP International), Guilherme Galego (Banco Santander), Ionut Doldor (AviAlliance), Luiz Teme (Banco do Brasil), Miguel Noronha (BMPI), Thierry Besse (Vinci Airports) e Wanderley Galhiego Junior (Socicam). 

Infra Latin America 2019

Infra Latin America 2019

Potenciais negócios e discussões sobre novos projetos, como as novas rodadas de concessões aeroportuárias, são pautas frequentes dos encontros exclusivos do GRI Club Infra e também das conferências do clube. Os desafios e avanços do segmento serão um dos temas do Infra Latin America GRI 2019. O evento ocorre nos dias 16 e 17 de maio no The Roosevelt Hotel, em Nova York.

Além do setor de infraestrutura do Brasil, os líderes presentes na 4ª edição da conferência vão abordar os avanços necessários e potenciais oportunidades em toda a região latino-americana, em um ambiente propício ao networking. Para participar, acesse o site do evento. 

Related News
←  SHARE
Infrastructure
GRI
X
Privacy policy and how we use cookies
We use cookies to give you the best experience on our website.
By continuing we'll assume you're on board with our privacy police
Accept and hide this message