Crédito: Alberto Ruy/ Ministério da Infraestrutura do Brasil
Português

BID traz indicações para promover aportes na América Latina

8 MIN READJuly 11, 2019
Considerado crucial para o desenvolvimento da América Latina e do Caribe, o investimento privado em infraestrutura se mostrou aquém do ideal nos últimos anos na região. Para se ter uma ideia, em  2015, o aporte efetivado localmente representou apenas 2,8% do PIB regional, muito abaixo dos 5,8% do leste da Ásia e Pacífico, informa um relatório produzido por Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), BID Invest e Marsh & McLennan Insights. Embora o panorama se mostre estável e as perspectivas de investimentos privados sejam favoráveis para 2019, o documento alerta que a concretização das expectativas depende da "ação decisiva praticada pelos novos governos e líderes da região".

"Após várias remodelações políticas, os novos regimes da região estão tomando medidas para abordar os seus problemas de corrupção, ter de volta a confiança e restaurar os processos promissores de projetos de infraestrutura para os investidores", pontua o relatório, que também ressalta medidas tomadas pelas nações visando fortalecer a transparência e a independência das instituições políticas e financeiras.

A análise, intitulada 'Bancabilidade pelas lentes da transparência', divulgada em junho, traz um panorama de Brasil, México, Colômbia, Peru, Chile e Argentina – considerados os seis maiores mercados de investimento em infraestrutura na região no período após a investigação da Lava Jato, de 2016 até a atualidade. 

Entre os objetivos do estudo, estão avaliações de potenciais investimentos privados na região, dos mecanismos de transparência e de iniciativas realizadas pelos governos dos países analisados. 

Para suprir os gaps

De acordo com  a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal), das Nações Unidas, a região precisaria investir aproximadamente 5,2% do PIB anualmente para suprir os gaps na infraestrutura. Contudo, depois de 2014, o report relembra que os níveis de investimento em infraestrutura de fontes privadas e públicas na América Latina diminuíram, o que pode ser "atribuído, em parte, à desaceleração econômica vivenciada na região, mas também pode ser atribuído a consequências referentes à corrupção."

Nesse contexto, no centro de investigações, o Brasil pode ser responsabilizado por parte desse declínio, visto que o País "consistia em 45% do investimento em infraestrutura da América Latina durante o período de 2008–2015, seguido por México, Colômbia, Argentina, Peru e Chile". Juntas, as nações representavam 87% do investimento durante os anos analisados. 

Para o restabelecimento do investimento em infraestrutura na região, portanto, será necessário "um compromisso quanto à abordagem de problemas surgidos com a corrupção e quanto à redução das incertezas associadas ao processo de investimento", instam os organismos autores do documento. 

Outro desafio a ser superado é a escassa participação de fundos de pensão no setor, um problema que poderia ser minimizado com a flexibilização de regulamentações e dos limites de aportes, permitindo que tais investidores "fizessem um hedge contra os riscos de inflação da região, bem como diversificando as suas carteiras e investindo em ativos de longo prazo para equiparar os seus passivos exigíveis a longo prazo".

"Os fundos de pensão locais podem disponibilizar uma fonte atrativa de financiamento para os investidores em infraestrutura, especialmente à medida que a volatilidade das moedas da região aumenta a necessidade de financiamento em moeda local para os projetos", continua o relatório.

Aumento do investimento chinês

Por outro lado, o documento ressalta o crescimento da participação chinesa na região. Em um capítulo à parte, o relatório aborda o potencial de alternativas internacionais para o capital chinês que têm sido cada vez mais encontradas na América Latina. 

Em 2017, a China foi a terceira maior fonte de investimento estrangeiro direto (IED) no mundo, e cerca de 7% desse montante foram direcionados para a região. Em 2018, a porcentagem chegou a 11,8%. "Decisivamente, a grande proporção de investimento chinês na América Latina foi direcionada para projetos de infraestrutura."

O estudo aponta que há potencial de aumentar esse volume, em decorrência do início da parceria entre o governo chinês e os países latino-americanos na Belt & Road Initiative.

Outro ponto abordado é o fato de que as mesmas investigações que reduziram o apetite por investimentos na região deram "um ímpeto adicional ao investimento chinês". "À medida que as empresas da região se retiram dos projetos em resposta às investigações de corrupção, abriu-se espaço para a entrada das empresas chinesas", pontua o relatório, exemplificando com casos de negociações e financiamentos ocorridos em Brasil e Peru.

Viabilizando o investimento privado

A parte final do documento traz uma série de considerações a investidores que tenham como objetivo atuar na região. Entre os pontos abordados, com análises detalhadas de cada um dos países, são elencados os obstáculos superados, medidas tomadas em direção a transparência e governança, e a melhoria do ambiente após as eleições, especialmente no Brasil – cuja votação ocorreu em 2018, com vitória de Jair Bolsonaro.

Temas específicos ao desenvolvimento do setor – como regulamentações para parcerias público-privadas (PPPs), estruturação e modelagem de projetos e os desafios econômicos também são abordados no texto, que traz ainda uma seleção de importantes soluções de financiamento e risco disponíveis para que os investidores privados assegurem a bancabilidade de projetos na região.

GRI China-Latam Infra Summit & Week 2019

GRI China-Latam Infra Summit & Week 2019

O potencial de negócios no setor de infraestrutura latino-americano continua em debate, especialmente com a presença de players chineses, durante a 4ª edição do GRI China-Latam Infra Summit & Week 2019


A conferência e a semana acontecem em agosto na China. Entre os destaques da edição, está a organização de uma agenda extra de reuniões estratégicas e visitas técnicas em Xangai, entre os dias 7 e 9. Saiba detalhes no site do evento.
Related News
←  SHARE
Infrastructure
GRI
X
Privacy policy and how we use cookies
We use cookies to give you the best experience on our website.
By continuing we'll assume you're on board with our privacy police
Accept and hide this message