Crédito: José Cruz/ Agência Brasil
Português

Salim Mattar traça panorama e avanços em desinvestimentos

5 MIN READJune 28, 2019
O secretário especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados do governo federal, José Salim Mattar Júnior, voltou a afirmar nesta quinta-feira (27 de junho) que há potencial para gerar R$ 1 trilhão a partir do programa de desinvestimentos, concessões e privatizações da gestão Bolsonaro. Com um portfólio de 133 estatais e 750 mil imóveis, ele confirmou que a maior parte desses ativos deve ser concedida à iniciativa privada, representando oportunidades de investimentos a players dos setores imobiliário e de infraestrutura. 

"O Estado que temos tem que ser modificado. Não queremos um Estado desse tamanho, não queremos pagar 42% de tudo o que se produz no Brasil para poder manter essa máquina. Nossa secretaria tem estatais, num total de 133, e imóveis, somando 750 mil. Nosso objetivo é vender estatais, subsidiárias, participações que temos [em companhias] e imóveis para reduzir a dívida [pública]. Temos um bom ativo, que pode gerar R$ 1 trilhão – em  estatais, empréstimos, concessões, [ativos] financeiros e imóveis, e podemos resgatar tudo isso", enfatizou.
 
De acordo com ele, devido a complexidade ou mesmo impossibilidade, Petrobras, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) não devem ser privatizados. 
 
Algumas companhias públicas, a exemplo de Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) e Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), também serão mantidas na carteira da gestão federal. "Mas temos R$ 147 bilhões em participações em empresas brasileiras, como Vale, Suzano e Klabin [...]", que podem ser negociadas, complementou. 
 
Salim Mattar fez as declarações ao participar do painel intitulado 'Privatização: onde estamos e para onde iremos?' no 21º Encontro Internacional de Relações com Investidores e Mercado de Capitais, realizado em São Paulo, ao qual o GRI Hub se fez presente. 

Meta para 2019

O secretário também explicou a atuação de sua pasta, que integra o Ministério da Economia e foi criada pela administração Jair Bolsonaro para acelerar o processo de concessões e privatizações.
 
"O ministro [da Economia Paulo] Guedes disse, em Davos, que temos a meta de chegar a R$ 20 bilhões em desestatizações. Já estamos com R$ 12,9 bilhões entregues e acreditamos que vamos superar os R$ 20 bilhões neste ano. Ou seja, em 2019, talvez possamos atingir R$ 100 bilhões em desestatizações", pontuou. 

Venda de imóveis da União

Antecipada a membros do GRI Club Real Estate em maio, em um club meeting com o secretário Fernando Anton Basus Bispo, titular da Secretaria de Coordenação e Governança do Patrimônio da União do Ministério da Economia (SCGPU/ME), a venda de imóveis da União está avançando.
 
Nesta terça-feira (25 de julho), foram publicados no Diário Oficial da União dois editais relativos às vendas de ativos imobiliários no Estado de São Paulo. Avaliados em cerca de R$ 200 milhões, os bens estão localizados nas cidades de Campinas, Santos e Barueri, além de um ativo na capital paulista. O leilão será realizado em 12 de agosto. 
 
"O objetivo do balão de ensaio será realizar uma análise, imóvel a imóvel. [Portanto, os bens] serão distribuídos individualmente. Assim, podemos ver o comportamento dos investidores para cada um dos ativos, o que nos possibilitará preparar uma esteira" para outras ações, explicou Bispo ao comentar a iniciativa-piloto. 
 

Agenda do GRI Club 

O programa de desestatização do governo federal é um dos temas da agenda do GRI Club nos setores imobiliário e de infraestrutura no Brasil. Ao longo de todo o ano, ambos os clubes realizam reuniões em prol do diálogo entre órgãos públicos e o setor privado. Saiba detalhes da programação.
Related News
←  SHARE
All
GRI
X
Privacy policy and how we use cookies
We use cookies to give you the best experience on our website.
By continuing we'll assume you're on board with our privacy police
Accept and hide this message